All for Joomla All for Webmasters

Achei por bem falar alguma coisa sobre nossa forma de ver as relações existentes no movimento do espiritismo, tomando como base a proposta da Associação de Estudos e Pesquisas Espíritas de João Pessoa – ASSEPE.

A partir das interações humanas, afirmamos nossas posturas, posições, estilos e identidade. Neste sentido, os fundamentos de nossas práticas e de nossas relações se dão dentro do modelo ético e moral adotado pelo Espiritismo, em perfeita harmonia com os ensinamentos apresentados pelo grande mestre que a humanidade conheceu: Jesus de Nazaré. Procurando seguir seus ensinos, podemos experienciar dimensões de valores esquecidos pela humanidade de uma maneira geral. Essa forma de relação, a bem da verdade, não é nada fácil de seguir, mas é plenamente possível de se realizar. Dizer-se Espírita, parece-nos dizer muita coisa e diz. Diz que acreditamos na Existência e pré-existência do Espírito após a morte do corpo físico; que acreditamos na Existência de Deus; na comunicabilidade dos Espíritos (ditos mortos); na Reencarnação; na evolução contínua do espírito; na existência de vida em outros planetas e na pluralidade dos mundos; no livre-arbítrio, liberdade de decidir e escolher por vontade própria; enfim, dizemos quais são os princípios norteadores de nossas práticas.

Quando nos afirmamos com um perfil e identidade Espírita, Pluralista, Progressista e Livre-pensador, dizemos que a nossa perspectiva de espiritismo é de atualidade, alteridade e contextualização. Quando pensamos em Espiritismo, pensamos em um conhecimento de âmbito espiritual capaz de mudar a face atual do mundo e das pessoas que estão mergulhadas em guerras, massacres, injustiças, desajustamentos biopsicossocioespiritual, para transformações profundas, com perspectiva de uma sociedade, de paz, de harmonia, de respeito à diferença e, fundamentalmente, uma sociedade de amor.

Sendo assim, não basta apenas sabermos que tal conhecimento é capaz de tantas mudanças, é preciso fazermos acontecer. Saber, muita gente sabe, mas não faz. É necessário mudar essa cultura, é necessário recriar caminhos de crescimento e expansão do humano existente.

As ferramentas do estudo e da pesquisa são por demais esquecidas pelos Espíritas de um modo geral, apesar de termos a convicção de que a situação já esteve pior no passado. Mas nós somos sedentos de saber para fazer. Somos seres que ousamos e usamos a criatividade como um perfume que encanta e harmoniza. Buscamos na diversidade das coisas e pessoas, na multiplicidade dos fatores sociais, culturais e espirituais, o brilho que faltava para embelezar o altar do espírito: a consciência.

Acreditamos na integralidade de tudo que há no universo. Acreditamos que é possível evoluir continuamente para melhores condições de vida, de planeta, de sistema, de homem. Acreditamos na força e na coragem do nobre espírito Allan Kardec, que conjuntamente com outros grandes luminares da humanidade, conceberam e projetaram luz no planeta Terra, mostrando que o Espiritismo deveria seguir seu curso natural apoiando-se na ciência e no progresso como as bases sólidas desse gigantesco edifício que ele é.

Entendemos que nossa postura está enraizada na dimensão humanista do ser que somos. E é justamente nessa base, que buscamos construir caminhos que visam a melhoria do homem e sua harmonia com Deus e o universo plruridimensional. Nossa vocação é semelhante à de tantos outros Espíritos e Espíritas que, fundamentados nos conhecimentos Kardecianos, ousam e se lançam para saltos ainda maiores, sem se prender ao rigor da letra que mata, nem aos excessos de todo o gênero humano. Compreendemos que o Espiritismo é um caminho de evolução espiritual, dentre vários outros, sem atribuir o rótulo de verdade suprema, única e inquestionável, a quem quer que seja, mostrando que ele é um legado de luz sob o qual o mundo pode se transformar. Assim, cabe aos espíritas convictos e sinceros, possibilitar uma nova configuração de práticas e ações voltadas para alteridade, à liberdade de idéias, ao senso crítico e à contextualização sociocultural e espiritual, onde o diverso é igual na diferença.

Back to top